domingo, 27 de março de 2016


. .
Uma excelente Páscoa a todos!


0 comentaram

quarta-feira, 23 de março de 2016


. .
FAPESP promove reajuste nos valores das bolsas


Ontem (22), o foi divulgado pela Agência FAPESP a aprovação do reajuste de 11% nos valores das bolsas oferecidas pela Fundação. Os reajustes serão feitos nas bolsas de Iniciação Científica (IC), Mestrado (MS), Doutorado (DR), Doutorado Direto (DD) e Pós-Doutorado (PD-BR), e valerá a partir de 1º de abril deste ano.
Os valores atualizados são: R$ 643,20 (IC), R$ 1.889,40 (MS 1 e DD 1), R$ 2.005,50 (MS 2 e DD2), R$ 2.784,60 (DR1 e DD3), R$ 3.446,40 (DR2 e DD4) e R$ 6.819,30 (PD-BR).
Além disso, outros programas como o Jovem Pesquisador, também receberá reajuste no valor das bolsas.

Mais informações: www.fapesp.br/valores/bolsasnopais
0 comentaram

terça-feira, 22 de março de 2016


. .
1º Congresso Brasileiro de Qualidade em Laboratórios

Acontecerá, dos dias 10 a 16 de abril, o 1º Congresso Brasileiro de Qualidade em Laboratório. O evento segue a modalidade online, que vem crescendo e possibilitando o acesso de pessoas de todos os lugares do mundo. Além disso, o congresso é organizado pela Lince Consultoria e Treinamentos gratuito.


Para se inscrever e obter maiores informações, acesse clicando aqui.
0 comentaram

segunda-feira, 21 de março de 2016


. .
21 de março


Ser diferente é ser normal! 
0 comentaram

segunda-feira, 14 de março de 2016


. .
HeroRats: ratos que detectam tuberculose na África

Estive em um curso na semana passada no Instituto Adolfo Lutz de Campinas (IAL-Campinas), sobre Capacitação em Biossegurança. Uma das palestras foi sobre vivência em um laboratório de nível III, de tuberculose. Um dos pontos interessantes da palestra foi quando tratou-se de uma forma um tanto inusitada de diagnóstico da tuberculose.
Imagem adaptada: G1.com
Na cidade de Maputo, capital de Moçambique, no sudeste da África, uma espécie de roedores foi treinada para o diagnóstico primário da tuberculose. Isso acontece desde 2013, e os ratinhos (nem tão pequenos assim), carinhosamente apelidados de “HeroRats” (ou “ratos heróis), foram responsáveis por detectar cerca de 1.182 casos da doença.


Este é um projeto que teve início na Tanzânia, pela organização belga chamada Apopo. Esta organização se dedica ao desenvolvimento de métodos de diagnóstico usando ratos treinados, por ser um método mais rápido e barato. No caso dos HeroRats, há uma precisão de 80% e 20 vezes mais rapidez no diagnóstico.
Os HeroRats são treinados para associar o som de um clique com uma recompensa em forma de comida, e logo depois, sentem o cheiro característico do Mycobacterium tuberculosis, a bactéria causadora da doença, e se familiarizam então para detectar a bactéria em amostras de escarro humano.
Quando o ratinho detecta a bactéria, sinalizam aos profissionais mantendo o nariz por pelo menos 3 segundos no buraco com as amostras de escarro. Sempre que indicam uma amostra positiva, ganham banana ou amendoim como recompensa. E o interessante é que eles sabem exatamente em qual das amostras ele parou!
Esta postagem não visa tratar sobre os assuntos bioéticos envolvidos, e nem o fato da chance de o animal ser contaminado e se há possibilidade de transmissão. Mas vale uma discussão acerca disso.

Fontes:
G1.com
0 comentaram
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...