domingo, 20 de novembro de 2016


. .
Sempre há tempo para seguir um sonho! - especial 20 de novembro

Chegamos a mais um 20 de novembro. Dia muito especial a nós, profissionais que lutam constantemente pela saúde, pela ciência, mesmo que nos bastidores. A cada dia uma nova descoberta nos alegra, saber que podemos melhor a vida de alguém, dar melhores condições através de um diagnóstico, fazer parte da equipe que salvou a vida de uma pessoa.
Hoje, o blog Biomedicina em Ação resolveu homenagear estes profissionais contanto uma história de muita coragem. Falo de uma futura biomédica, que resolveu mudar todo o rumo da sua vida pelo amor à ciência da vida, por amor à Biomedicina. Vale a pena a leitura: 



“Minha história com cursos na área de saúde começou há algum tempo, há quase 6 anos. Em 2010, no meio do ensino médio passei para o curso de farmácia na UnB, uma das maiores alegrias que tive. Meu sonho era aquela universidade. No entanto por problemas da vida precisei sair da faculdade... Que choque! Em 2011 para alegria da minha família iniciei no Direito, um ótimo curso (para minha família) e para mim só um curso.
Sempre fui dedicada, terminei a graduação em Direito aprovada no exame de ordem, apresentei o TCC e tirei 10. Iniciei 2016 achando que como já tinha chegado até ali conseguiria tranquilamente seguir na carreira profissional, passar num concurso público, doce engano. Entre janeiro de 2016 e novembro desse mesmo ano tive certeza que não era "aquilo" que eu queria, meu Deus e agora?
Decidi que era hora de assumir minhas vontades, comecei a pesquisar de novo sobre meu curso de farmácia e aí conheci a BIOMED, comecei a pesquisar, vi vídeos no YouTube, me senti uma adolescente saindo do ensino médio rs, tive a certeza da vida, da minha vida. Me apaixonei pela biomed, meu nível de ansiedade para o início das aulas está lá em cima e o melhor.
Estou muuuuuito feliz e olha que ainda nem começou. Ah, e parabéns a todos os biomédicos!


Que todos nós tenhamos esta mesma coragem, para tudo em nossas vidas. E que todos nós vejamos a nossa profissão com a mesma empolgação de quando iniciamos, porque é como sempre digo: “o poder da criação é divino, mas o da transformação é nosso”. Parabéns, biomédicos!
0 comentaram

sábado, 19 de novembro de 2016


. .
IST: o que é?

   

A nomenclatura DST (doenças sexualmente transmissíveis) foi substituída por “IST” (infecções sexualmente transmissíveis). De acordo com o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. A nova denominação é uma das atualizações da estrutura regimental do Ministério da Saúde por meio do pelo Decreto nº 8.901/2016 publicada no Diário Oficial da União em 11.11.2016, Seção I, páginas 03 a 17.
“A denominação ‘D’, de ‘DST’, vem de doença, que implica em sintomas e sinais visíveis no organismo do indivíduo. Já ‘Infecções’ podem ter períodos assintomáticas (sífilis, herpes genital, condiloma acuminado, por exemplo) ou se mantém assintomáticas durante toda a vida do indivíduo (casos da infecção pelo HPV e vírus do Herpes) e são somente detectadas por meio de exames laboratoriais”, explicou a diretora do Departamento, Adele Benzaken. “O termo IST é mais adequado e já é utilizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelos principais Organismos que lidam com a temática das Infecções Sexualmente Transmissíveis ao redor do mundo”, completou.

Fonte: Assessoria de Comunicação – Departamento de IST, Aids e Hepatites Virais
0 comentaram

. .
CRBM homenageia biomédicos com vídeo em stop motion

Para homenagear os biomédicos, já que o nosso dia está chegando, o CRBM 1ª Região em parceria com o canal Bricking Science, criou um vídeo em stop motion. Uma linda e super bacana homenagem a todos nós! Confiram:



PARABÉNS A TODOS OS BIOMÉDICOS!!!
0 comentaram

domingo, 13 de novembro de 2016


. .
Biomédicos promovem curso em prol de construção de hospital


Os biomédicos do Hemocentro do Amazonas estão de parabéns! Estão organizando um curso de Imunohematologia, para arrecadas fundos visando a construção do Hospital de Sangue.
O curso de Imunohematologia acontecerá de 09 a 18 de dezembro/2016, e contará com conteúdo teórico e prático, com carca horária de 32 horas.
Imagina que incrível aprender, se aprimorar, e ainda por cima, contribuir para uma causa nobre como essa.
As informações estão no folder abaixo, e você pode se inscrever acessando o site: Fundação Sangue Nativo

 


0 comentaram

sexta-feira, 11 de novembro de 2016


. .
Como os farmacêuticos enxergam os biomédicos?

A multidisciplinaridade é muito interessante. Poder unir diferentes tipos de conhecimento, diferentes visões do mesmo problema, e juntos chegar a um senso comum e a um resultado melhor. É assim que deveria ser, principalmente na área da saúde, e é isso que buscamos constantemente. Poder contribuir com conhecimento e trocar experiências para ajudar a um paciente, é incrível!
Infelizmente, nem sempre as coisas são assim. Há sempre uma concorrência desnecessária e nada saudável entre profissionais, e hoje, viemos tentar descontruir a briga entre farmacêuticos e biomédicos!
Por isso, o Biomedicina em Ação recebe hoje uma farmacêutica, a Thamires Santos, para contar a nós o lado de lá: como os farmacêuticos enxergam o biomédico?


------------------------------------------------------------------------------------------------
Por Thamires Santos, farmacêutica.

Na convivência por quatro anos com os alunos de biomedicina estudando algumas matérias clinicas junto, pude observar a ‘’briga’’ das duas classes de forma oculta porém, existente.
Em sala de aula a convivência com os alunos era bem distante, cada um para o seu lado, a distância e destaque dos alunos nas matérias clínicas criou-se uma barreira (pelos alunos de farmácia) e a tal ‘’briga’’, antes mesmo da formação dos profissionais.
 Partindo para o ponto de vista profissional os farmacêuticos tem uma visão de superioridade em relação aos biomédicos, um desses motivos está diretamente relacionada com as áreas de atuação do profissional farmacêutico que é bem ampliada e um segundo seria por poderem atuar em uma mesma função.  
Trazendo para a minha realidade hoje, vejo que essa atitude entre as profissões não faz o maior sentido. Claro que vivemos em um mundo de competitividade onde o melhor é o que vence, porém não é criando inimizades nem desfazendo das pessoas que conseguiremos obter êxito na vida tanto profissional como pessoal.
A lição que tiramos disso é que se essa ‘’briga’’ não existisse uma classe teria ajudado a outra nas suas dificuldades, as duas estariam em destaque e hoje formados estaríamos nos relacionado melhor profissionalmente e adquirindo experiências, afinal ninguém faz nada sozinho.
O orgulho muitas vezes nos leva a erros drásticos. Eliminar isso da vida é uma dadiva. A área da saúde necessita de união e amor para assim desenvolver um trabalho digno.
Observe e faça sempre a melhor escolha.
Pense nisso!

(*) As informações contidas no texto são opinião da autora. 
0 comentaram

terça-feira, 8 de novembro de 2016


. .
Inclusão do biomédico nos programas de atenção à saúde - VOTE!




Nos últimos dias, têm se falado muito sobre a inclusão do biomédico nos programas de Atenção à Saúde (ESF/NASF) e nas práticas integrativas e complementares. Trata-se de uma proposta legislativa do biomédico Jeferson M. Gomes que todos podem ter acesso no site do Senado Federal.
A proposta é para que o biomédico seja parte da equipe de Atenção à Saúde, visto que nossa ampla área de atuação pode ser muito importante na melhoria da saúde pública do Brasil. O texto ainda explica que “uma das principais funções do biomédico a saúde pública é a prevenção das doenças, pois realiza exames preventivos nas campanhas de saúde evitando que doenças se instalem na comunidade. Assim, a contribuição funcional do biomédico inclui a prevenção e promoção da saúde por meio de educação sanitária, coleta e armazenamento de material biológico para análise laboratorial e pesquisa de possíveis agentes etiológicos de maior incidência a comunidade em que está inserido a Estratégia de Saúde da Família (ESF).”
Apoie esta ideia! Clique aqui, leia na íntegra a proposta e assine! É muito simples, rápido e qualquer pessoa pode votar.


Compartilhe para que todos saibam a importância dessa proposta para a saúde pública. 
0 comentaram

segunda-feira, 7 de novembro de 2016


. .
Biomédicos em Ação - FIT/UNAMA


A Ana Paula Martins enviou a nós uma foto em que ela, junto com a sua turma de Biomedicina da FIT/UNAMA, visitaram o Laboratório de Anatomia da UEPA. Segundo ela “foi uma experiência incrível” e ela quis eternizar esse momento através do Biomedicina em Ação!

Bacana né?! Quer participar do blog? Faça como a Ana Paula, envie também a sua foto! Saiba mais clicando aqui.
0 comentaram

. .
Novembro Azul: o alerta contra o câncer de próstata

O Biomedicina em Ação sempre abriu espaço para troca de experiências, e para que todos possam interagir com nossos leitores. Por isso, recebemos um e-mail do Danilo, aluno de graduação da Unip, Campus Assis. Ele escreveu sobre um assunto de grande importância, principalmente agora em novembro: o câncer de próstata. Confira o texto:

“Segundo o INCA (Portal Nacional de Câncer) no Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens. 
A próstata é um órgão que faz parte do aparelho reprodutor masculino e sua principal função é produzir parte do líquido que forma o sêmen. O principal fator de risco para o câncer da próstata é a idade e o histórico familiar.
Existe tratamento e acompanhamento para tratar e evitar o câncer de próstata. 
Os Biomédicos que atuam em Laboratórios de Análises Clínicas dosam uma proteína chamada Antígeno Prostático Específico (PSA) que é realizado através da coleta de sangue venosa para saber se existe uma alteração evidenciando um câncer de próstata assintomático. 
É importante que o paciente siga as instruções de pré coleta 3 (três) dias antes da realização do exame, para evitar que afaste o diagnóstico precoce da doença. 
Em caso de dúvidas procure o seu médico, o diagnóstico precoce preserva o seu futuro.”

Danilo Leônidas Ferreira da Silva, Acadêmico de Biomedicina pela Universidade Paulista - UNIP Assis  


0 comentaram

domingo, 30 de outubro de 2016


. .
O jeans moderno e a microbiologia: como é possível unir os dois?

Já imaginou usar a microbiologia na confecção do jeans? E mais, de uma forma sustentável que possa minimizar os resíduos tóxicos e os gastos associados a eles.


 O jeans sempre foi muito popular, principalmente o jeans azul Denim, desde que Levi Strauss e Jacob Davis, em 1873, produziram pela primeira vez para mineradores de ouro da Califórnia. Hoje, o denim macio e desbotado é produzido pelas empresas com auxílio de enzimas celulases, provenientes de um fungo chamado Trichoderma.
As celulases, como o próprio nome sugere, digerem parte da celulose do algodão e, ao contrário de muitas reações químicas, essas enzimas atuam em temperaturas e pHs seguros. Além disso, as enzimas são proteínas e, portanto, facilmente degradadas para a remoção do esgoto industrial.
E a produção de algodão também pode acontecer com menor impacto ambiental. Isso porque existe uma bactéria chamada Gluconacetobacter xylinus produz celulose ligando unidades de glicose em cadeias simples na membrana externa da parede celular bacteriana. As microfibrilas de celulose são expulsas através de poros na membrana externa, e feixes de microfibrilas se entrelaçam, formando tiras.
Para dar aquele efeito de desbotado, dá para usar o peróxido, que é um agente branqueador mais seguro que o cloro e pode ser facilmente removido do tecido e do esgoto industrial por enzimas. Os pesquisadores da Novo Nordisk Biotech clonaram um gene de peroxidase de cogumelo em leveduras e cresceram as leveduras em condições de máquina de lavar. As leveduras que sobreviveram foram selecionadas como produtoras de peroxidase.
E aquela tonalidade azul, forte, chamada índigo? Dá para fazer isso utilizando bactérias, bem conhecidas por sinal. Biotecnologistas da Califórnia identificaram o gene da Pseudomonas putida, uma bactéria do solo, que converte o subproduto bacteriano indol em índigo. Esse gene foi inserido na bactéria Escherichia coli, que, por sua vez, se tornou azul e produzem índigo a partir do triptofano.
Ah, e dá para fazer até o zíper usando os nossos amigos microrganismos. Cerca de 25 bactérias produzem grânulos de inclusão de poli-hidroxialcanoato (PHA) como reserva alimentar. Os PHAs são similares aos plásticos comuns, e por serem produzidos por bactérias, eles também são prontamente degradados por muitas bactérias. Os PHAs podem representar um material biodegradável alternativo para substituir o plástico convencional, feito a partir de petróleo e ser usado na produção dos zíperes!

Incrível né? A biotecnologia utilizando os microrganismos a nosso favor, sem prejudicar o meio onde vivemos!


Fonte: Tortora, G. J. Microbiologia. 12 ed. Artmed. 2016.
0 comentaram

sexta-feira, 21 de outubro de 2016


. .
IX Congresso de Biomedicina e VI Jornada de Análises Clínicas, Unifenas - MG

Nos dias 9, 10 e 11 de novembro, acontecerá em Alfenas - MG, o IX Congresso de Biomedicina e VI Jornada de Análises Clínicas, realizado pela Liga de Citologia Clínica (LCC) da Unifenas. A programação está recheada de palestras, workshop e minicurso.
  



Para maiores informações, entre em contato com a LCC pelo facebook, clicando aqui
0 comentaram
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...