sábado, 17 de agosto de 2013


. .
Biomédicos em Ação - FSM/Cajazeiras-PB

Fotos enviadas por José Lacerda







Esse é o pessoal da Faculdade Santa Maria - FSM, 4º período - Cajazeiras-PB. Na primeira foto: Niedja Ially, José Lacerda e Jullimara.


Quer participar do blog? Envie também a sua foto! Saiba mais clicando aqui
0 comentaram

. .
Pesquisadores da USP desenvolvem coração artificial implantável

Protótipo do coração artificial. Foto: Poli/USP - Agência Fapesp
Matéria publicada na Agência FAPESP, por Karina Toledo

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia desenvolveram o primeiro protótipo brasileiro de coração artificial totalmente implantável. O dispositivo é indicado para pacientes com insuficiência cardíaca, problema que afeta cerca de 6,5 milhões de pessoas no país e mata em torno de 25 mil todos os anos – segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).
O objetivo do equipamento, que ainda não foi testado em humanos, não é substituir o coração e sim auxiliá-lo no bombeamento de sangue enquanto o paciente aguarda um órgão para transplante. Os primeiros experimentos realizados com bezerros apresentaram bons resultados.
“Em países desenvolvidos já existem modelos de coração artificial totalmente implantáveis, mas o custo de importação é elevado – mais de R$ 200 mil – e poucos têm acesso. Nossa ideia é desenvolver uma versão nacional que custe em torno de R$10 mil”, contou José Roberto Cardoso, diretor da Escola Politécnica (Poli) da USP e coordenador da pesquisa financiada pela FAPESP.
Segundo Cardoso, há outros modelos de coração artificial desenvolvidos no Brasil, no Instituto do Coração (Incor) da USP e até mesmo no próprio Dante Pazzanese. Mas são todos equipamentos extracorpóreos. Nesses casos, tubos saem do corpo do paciente e ficam ligados a uma maleta, onde está a bomba e a bateria.
“O paciente precisa carregar essa maleta para todo lado e o equipamento fica em contato com o ambiente. Além do incômodo, o grande problema é o risco de infecção”, disse Cardoso.
O novo protótipo implantável começou a ser desenvolvido em 2006. A bomba foi feita no Departamento de Engenharia Mecatrônica da Poli e os motores elétricos e circuitos que controlam seu funcionamento foram criados no Laboratório de Eletromagnetismo Aplicado, coordenado por Cardoso. A parte médica e os ensaios com animais ficaram sob a responsabilidade da equipe do Dante Pazzanese, instituto vinculado à Secretaria de Estado da Saúde.
“A maioria dos modelos existentes no exterior usa bombas do tipo axial, em que o sangue entra por um lado de um tubo e sai pelo outro. Nós optamos por uma bomba do tipo radial, em que o sangue entra pelo centro do cilindro e sai pela lateral”, contou Cardoso.
A vantagem, segundo o pesquisador, é que a bomba radial funciona com uma rotação menor. Além de diminuir o ruído – algo importante a se considerar em um dispositivo que fica dentro do corpo –, a agressão ao sangue durante o bombeamento também é menor.
Dois tipos de problemas são mais preocupantes quando o sangue é pressionado de forma exagerada: a liberação excessiva de hemoglobina pelos glóbulos vermelhos – o que poderia intoxicar os rins e o fígado – e a ativação das plaquetas, elevando o risco de trombose.
Por esse motivo, um dos grandes desafios dos pesquisadores é prever o comportamento do sangue em função da pressão da bomba, explicou Cardoso.
“O sangue é um fluido muito difícil de modelar, pois é composto de partes líquidas e sólidas e, quando você pressiona, ele diminui de volume. É diferente da água, que sempre mantém o volume constante. Fazemos simulações por meio de ferramentas computacionais e experiências em bancada para verificar se a distribuição está ocorrendo na velocidade prevista e se não há pontos de estrangulamento”, explicou Cardoso.




0 comentaram

quinta-feira, 15 de agosto de 2013


. .


A 3ª edição da revista Biomedicina News foi lançada pelo blog Biomedicina Padrão. Nela, há temas de bastante relevância para a nossa área e que valem muito a pena serem lidos. Dentre eles, há uma matéria minha (Thassia Teodoro), sobre os avanços nas pesquisas da Fibrose Cística (FC). Aproveito e agradeço aqui ao Laboratório de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Unicamp, o qual realizo o meu estágio, pelo contato com alguns dos pesquisadores que estão no grupo de pesquisa sobre a FC, o que me despertou interesse em escrever sobre o assunto.

No mais, a revista está realmente INCRÍVEL! Parabenizo ao Brunno Câmara pelo lançamento de mais uma edição, que a cada vez surpreende mais. Se eu fosse vocês, não perderia essa leitura rsrs

Link da revista
0 comentaram

terça-feira, 6 de agosto de 2013


. .
Biomédicos em Ação - Piauí

Fotos enviadas por Rodrigo Mendes de Carvalho 



  “São imagens da preparação dos reagentes para o teste de Aberrações Cromossômicas de células sanguíneas para avaliar a frequência de danos ao material genético de trabalhadores rurais envolvidos no manejo de agrotóxicos como parte de perfil populacional do Estado do Piauí numa tese de farmacologia clinica. Participação com colaborador acadêmico de biomedicina nos trabalhos científicos no Laboratório Central do Piauí - LACEN/ Setor de Toxicologia - LACEN/LABTOXGEN, e atualmente encontra-se temporariamente fora de atividade.”
Rodrigo Mendes de Carvalho CRBM 3765 

Quer participar do blog? Envie também a sua foto! Saiba mais clicando aqui
0 comentaram

. .
Especialistas buscam formas menos agressivas e mais "humanas" para a eutanásia de animais

Foto reprodução/Publicação:Nature. Agosto,2013.
Muito se fala sobre a utilização de animais em pesquisa. A polêmica gira em torno do fato de que os animais, geralmente roedores, são mortos ao final. Esta tarefa é, sem dúvida nenhuma, bastante desagradável ao pesquisador. Diante disso, especialistas de todo o mundo se reunirão esta semana no Reino Unido, para discutir uma forma menos agressiva e livre de sofrimento para a eutanásia dos animais de laboratório. Segundo Penny Hawkins, vice-chefe do departamento de animais de pesquisa da Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade contra os Animais, uma instituição de caridade com sede em Southwater, Reino Unido, há suposições de como tornar as técnicas utilizadas mais “humanas”, e que elas devem ser empregadas, já que o animal pode parecer não estar sofrendo, quando na verdade está consciente e sentindo todo o procedimento de eutanásia.
Atualmente, as técnicas utilizadas na eutanásia dos animais incluem a inalação - como as câmaras de dióxido de carbono ou gases anestésicos - e injeção de barbitúricos. Os métodos físicos incluem luxação cervical (quebra do pescoço), ou a decapitação com guilhotina. Dentre estes citados, discute-se principalmente a utilização do CO2, pois cada vez mais estudos sugerem que o gás deixa os roedores bastante estressados antes da morte. A proposta desta reunião é encontrar uma forma com que os animais sintam o mínimo de desconforto possível e, portanto, a utilização do CO2 na eutanásia deverá ser um ponto a se questionar na reunião.
Os métodos físicos também serão pontos de discussão, por não serem viáveis para um grande número de roedores. Além disso, sugere-se cada vez mais a utilização de novos modelos animais, como o peixe, já que há um melhor bem-estar para este animal.

(Texto original)

1 comentaram

domingo, 4 de agosto de 2013


. .
Doação de Medula Óssea

Encontrei esse vídeo através do Canal do youtuber Cauê Moura, que fala sobre a leucemia, e o processo de doação de medula óssea. O vídeo é no mesmo formato de vlog, mas vale a pena conferir e espalhar a ideia para todo mundo. No final do vídeo vocês entenderão o motivo.



Mais informações: 
Hemocentros pelo Brasil
REDOME
0 comentaram
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...