sexta-feira, 20 de novembro de 2015


. .
20 de novembro!


0 comentaram

domingo, 8 de novembro de 2015


. .
Estudantes brasileiros ganham prêmios em competição na Universidade de Harvard


Team Protomatos (imagem facebook)
 Juntar várias áreas do conhecimento em um único propósito: isso é pensar fora da caixa. É algo que sempre queremos incentivar, e é exatamente isso que um grupo de estudantes dos cursos de ciências biomédicas, biotecnologia, ciências sociais, física estatística, química e arquitetura da Universidade de São Paulo (USP) fizeram. Essa união os levaram ao Biomod, uma competição de design biomolecular da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. A equipe volta ao Brasil com 3 prêmios: Bronze Project Award, o terceiro lugar no Audience Favorite e o prêmio de melhor Design da Camiseta. O Biomod foi criado em 2011, e sempre reuniu alunos de graduação do Japão, Dinamarca, Austrália e China. Esse ano, a equipe da USP foi a primeira da América Latina a participar da competição que traz desde nano robôs à computadores moleculares.
Para alcançarem a competição, além de muita pesquisa e persistência, o Team Protomatos realizou um financiamento coletivo (assim como a postagem abaixo da neurocientista Suzana Herculano) e conseguiram arrecadar quase R$ 17 mil reais. No site do financiamento, os alunos enviariam aos doadores, colares, chaveiros e cadernos em troca ao incentivo financeiro.
O projeto da equipe da USP visava utilizar a tecnologia de DNA Origami.

Octaedro de DNA. Imagem Dr. Cassio Alves (Catarse)

  DNA Origami consiste na “dobradura” do DNA para criar formatos bi e tridimensionais na escala nano. Esta tecnologia foi a matéria de capa da Nature em 16 de março de 2006. Desde então, o DNA origami progrediu desde uma forma artística de design molecular para diversas aplicações práticas, como sistemas de drug-delivery (entrega localizada de fármacos ) ou circuitaria de dispositivos plasmônicos. A maioria dessas aplicações, contudo, permanece como conceito ou em fase de testes.”

A ideia é melhorar o design de nanocages (caixas nanoméricas) em formato de octaedro, criadas a partir de trechos de DNA e alocar dentro delas vias metabólicas para testar a viabilidade de uma produção biotecnológica mais acessível e de baixo impacto ambiental. Como cada via metabólica utiliza enzimas em quantidades e tamanhos diversos, o grupo adotou um software desenvolvido pelo pesquisador Cássio Alves durante seu doutorado no Instituto de Física da USP para calcular as estruturas ideais dessas “caixas” de DNA sintético.




Fontes:
0 comentaram

terça-feira, 3 de novembro de 2015


. .
Neurocientista brasileira cria financiamento coletivo para dar continuidade à pesquisas

 

É notável que a ciência brasileira caminha a passos lentos, sem incentivo e investimento financeiro. Em uma entrevista para um canal de ciência do youtube, a neurocientista Suzana Heculano-Houzel já havia dito sobre o não repasse de verba do Governo para a sua pesquisa e que, portanto, houve a necessidade de arcar com algumas dispensas com dinheiro do seu próprio bolso.
Suzana é uma das cientistas mais importantes do país, defensora de várias causas que envolvem a ciência. Seu grupo de pesquisa funciona há 11 anos no Laboratório de Neuroanatomia Comparada na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Para manter a sua pesquisa e não ter que fechar as portas do seu laboratório, Suzana teve a ideia de usar a internet a seu favor. Atualmente, é muito comum o financiamento coletivo via internet, que funciona da seguinte forma: você doa e recebe serviços ou materiais em troca. No caso do financiamento da neurocientista, lançado em 12 de outubro, quem doar recebe desde a imagem digital para capa do facebook à reunião, visita e palestra com Suzana.
O objetivo é arrecadar R$ 100 mil, e até o momento, o projeto já conseguiu arrecadar R$95.381,43!!!
  A ideia veio da necessidade. Com o corte do repasse de verbas dos governos federal e estadual, tive que tirar R$ 20 mil do meu próprio bolso para o trabalho continuar. Ou eu fazia alguma coisa ou mandava todo mundo para casa. Mais do que conseguir levantar os fundos, a iniciativa mostra para o governo que a gente valoriza a ciência brasileira. As pessoas querem ver a ciência funcionando. ”  
Para contribuir com o projeto da neurocientista e ajudar para que a ciência no Brasil não morra, basta acessar o link: Kicks

Fonte: Extra.com
0 comentaram
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...